Pesquisar este blog

quinta-feira, 18 de abril de 2019

18 de abril - Dia Nacional do Livro Infantil


O dia 18 de abril foi instituído como o Dia Nacional do Livro Infantil, em homenagem à Monteiro Lobato que foi um dos maiores autores da literatura infantojuvenil brasileira.

A Semana do Livro tem o objetivo de despertar o interesse da comunidade para a leitura, incentivando, principalmente, os jovens. O dia 18 de abril foi escolhido como Dia Nacional do Livro Infantil por ser a data do nascimento de Monteiro Lobato.

Nascido em Taubaté, interior de São Paulo, em 18 de abril de 1882, iniciou sua carreira escrevendo contos para jornais estudantis. Em 1904 venceu o concurso literário do Centro Acadêmico XI de Agosto, época em que cursava a faculdade de direito.

Como viveu um período de sua vida em fazendas, seus maiores sucessos fizeram referências à vida num sítio, assim criou o Jeca Tatu, um caipira muito preguiçoso.


Depois criou a história “A Menina do Nariz Arrebitado”, que fez grande sucesso.


Em sequência a esses sucessos, montou a maior obra da literatura infantojuvenil: Sítio do Pica Pau Amarelo, que devido ao grande sucesso  foi transformado em obra televisiva nos anos oitenta, sendo regravado no final dos anos noventa.


Dentre seus principais personagens estão:

• Tia Nastácia;
• Pedrinho;
• Narizinho;
• Emília;
• Visconde;
• Dona Benta;
• Cuca.

Nas suas obras, Monteiro Lobato resgatou a imagem do homem da roça, apresentando personagens do folclore brasileiro, como o Saci Pererê, negrinho de uma perna só; a Cuca, uma jacaré fêmea muito malvada; e outros. Também enriqueceu suas obras com mitologia grega, bem como com personagens do cinema (Walt Disney) e das histórias em quadrinhos.

Na verdade, através de sua inteligência, mostrou para as crianças como é possível aprender através da brincadeira.


Com o lançamento do livro “Emília no País da Gramática”, em 1934, mostrou assuntos como adjetivos, substantivos, sílabas, pronomes, verbos e vários outros. Além desse, criou ainda Aritmética da Emília, em 1935, com as mesmas intenções, porém com as brincadeiras se passando num pomar.

Monteiro Lobato morreu em 4 de julho de 1948, aos 66 anos de idade, no ano de 2002 foi criada uma Lei (10.402/02) que registrou o seu nascimento como data oficial da literatura infantojuvenil.

“Um país se faz com homens e com livros”.

Essa frase criada por ele demonstra a valorização que dava à leitura e sua forte influência no mundo literário.

Sugestões de atividades para o Dia Nacional do Livro Infantil

• Produzir textos (Individual ou coletivamente) – Atividades de Produção de Texto Dia do Livro;
   
   
• Confecção de Lembrancinhas com os alunos; – Lembrancinha Dia do Livro em EVA;
   
• Confecção de Murais e Painéis em sala de aula; – Mural Dia do Livro;
   
• Teatro sobre alguma obra importante da literatura infantil;
   
• Roda de conversa;
   
• Brincadeiras e Dinâmicas; – Brincadeiras Dia do Livro;

• Outras ideias em: Dia do livro Infantil

Dia Nacional do Livro Infantil – Frases de Monteiro Lobato

• Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê.
• Um país se faz com homens e livros.
• A mim me salvaram as crianças. De tanto escrever para elas, simplifiquei-me.
• Tudo vem dos sonhos. Primeiro sonhamos depois fazemos.
• Quem escreve um livro cria um castelo, quem o lê mora nele.

Monteiro Lobato - Sítio do Pica-Pau Amarelo


MONTEIRO LOBATO


Escritor, editor, tradutor, advogado, promotor, industrial e dono de Cia. de Petróleo. José Bento Renato Monteiro Lobato foi tudo isso em seus 66 anos de vida. Nascido em 18 de abril de 1882, em Taubaté, interior de São Paulo, Monteiro Lobato foi criado em um sítio que, mais tarde, o inspiraria a escrever as histórias de Narizinho, Pedrinho, Emília, Dona Benta, Visconde e Tia Anastácia.

Mas apesar de ter ficado famoso com seus escritos infantis – que tiveram o mérito de misturar o folclore brasileiro com mitologia grega, quadrinhos e cinema – Monteiro Lobato foi muito além do Sítio do Pica-Pau Amarelo. Escreveu contos, artigos, críticas, prefácios, cartas, uma autobiografia e um romance chamado “Presidente Negro”. Disse ter recebido influência das fábulas de Esopo e de La Fontaine. E também de J.M. Barrie, autor de Peter Pan, e de Lewis Carroll, criador de Alice no País das Maravilhas.


O Sítio O Pica-Pau Amarelo

O Sítio do Pica-Pau Amarelo é uma criação de Monteiro Lobato, escritor brasileiro.


A obra é das mais originais da literatura infantojuvenil no Brasil e o primeiro livro da série foi publicado em Dezembro de 1920. A partir daí, Monteiro Lobato continuou escrevendo livros infantis de sucesso, com seu grupo de personagens que vivem histórias mágicas: Emília, Narizinho, Pedrinho, Marquês de Rabicó, Conselheiro, Quindim, Visconde de Sabugosa, Dona Benta, Tia Nastácia, Tio Barnabé, Cuca, Saci, etc. Os personagens principais moram ou passam boa parte do tempo no sítio pertencente à avó dos garotos, batizado com o nome de Pica-Pau Amarelo, de onde vem o título da série.













quarta-feira, 17 de abril de 2019

Mensagem de Chico Xavier


Nasceste no lar que precisavas,
Vestiste o corpo físico que merecias,
Moras onde melhor Deus te proporcionou,
de acordo com teu adiantamento.
Possuis os recursos financeiros coerentes
com as tuas necessidades, nem mais,
nem menos, mas o justo para as tuas
lutas terrenas.

Teu ambiente de trabalho é o que elegeste
espontaneamente para a tua realização.
Teus parentes, amigos são as almas que atraístes,
com tua própria afinidade.
Portanto, teu destino está constantemente
sobre teu controle.

Tu escolhes, recolhes, eleges, atrais,
buscas, expulsas, modificas tudo aquilo
que te rodeia a existência.
Teus pensamentos e vontades são a chave
de teus atos e atitudes...
São as fontes de atração e repulsão na tua
jornada vivência.

Não reclames nem te faças de vítima.
Antes de tudo, analisa e observa.
A mudança está em tuas mãos.
Reprograma a tua meta,
Busca o bem e viverás melhor.

CHICO XAVIER

"Embora ninguém possa voltar atrás e
fazer um novo começo, qualquer um pode
começar agora e fazer um novo fim"

Atividade: Sugestão de Proposta de Redação


DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO DA POPULAÇÃO INDÍGENA NO BRASIL

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Desafios para a educação da população indígena no Brasil”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

Educação Escolar Indígena

Os Povos Indígenas têm direito a uma educação escolar específica, diferenciada, intercultural, bilíngue/multilíngue e comunitária, conforme define a legislação nacional que fundamenta a Educação Escolar Indígena. Seguindo o regime de colaboração, posto pela Constituição Federal de 1988 e pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), a coordenação nacional das políticas de Educação Escolar Indígena é de competência do Ministério da Educação (MEC), cabendo aos Estados e Municípios a execução para a garantia deste direito dos povos indígenas.


TEXTO II

Educar indígenas é desafio para escolas dentro e fora das aldeias

A resolução nº 5 de junho de 2012 determina que sejam desenvolvidos projetos que afirmem as identidades étnicas, valorizem as línguas indígenas e os conceitos próprios desses povos. Isso significa que os modelos pedagógicos não precisam seguir os moldes “urbanos”.

Segundo o MEC, em 2012, a maior parte dos 234 mil alunos indígenas estava matriculada em colégios nas aldeias. Ao todo, 2.954 escolas atendem esses alunos no País, sendo que apenas 28.972 estão em escolas urbanas. Nas aldeias, quem dá aulas são professores indígenas (95%). De acordo com o ministério, de 2005 a 2011, 2,8 mil professores indígenas se formaram.


TEXTO III

Estudantes indígenas são os que menos contam com apoio público para pagar curso

63% dos indígenas não conseguiram vaga gratuita ou não foram selecionados pelo Fies ou pelo ProUni para custear faculdade privada, mostram dados do Censo 2016.