Pesquisar este blog

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Reportagem


Xanxerê: história construída com a contribuição de imigrantes

Como parte da programação “Natal para Todos”, desde a segunda-feira (11) acontece no Museu do Milho Antonio Sirena, no Parque da Femi em Xanxerê, a Exposição de Presépios, que pode ser visitada até domingo (17). No mesmo local, além dos objetos que contam a história e que fazem o resgate de memórias, também se homenageia os imigrantes que ajudaram a construir a história de Xanxerê, como é o caso da Dona Luzia Clara da Cruz Lopes, natural de Coimbra, em Portugal, hoje com 80 anos de idade, e que desembarcou em solo brasileiro em 1958, com 20 anos.

 Dona Luzia Clara da Cruz Lopes e a família

Ela conta que a viagem foi de navio e durou 13 dias. Chegou ao porto de Santos, onde era esperada pelo marido Armindo da Silva Lopes. Dona Luzia casou-se por procuração, quando ainda estava em Portugal e enquanto o marido já tentava a sorte no Brasil. Mesmo casada, permaneceu em Portugal por quatro anos.

Os pais do marido vieram para o Brasil na década de 50, mesma época em que chegaram vários portugueses que se estabeleceram na região sul.  A família de Armindo da Silva Lopes optou por fixar residência em Xanxerê por sua localização geográfica, seu clima semelhante ao de Portugal e por ser um polo regional.

Eles trabalhavam em um prédio de esquina das ruas José de Miranda Ramos com a Rui Barbosa, próximo onde hoje se localiza a Igreja Matriz Senhor Bom Jesus. O estabelecimento era uma loja de secos e molhados, comércio muito comum na época, onde se vendia um pouco de tudo.
Posteriormente, mudaram-se para a Rua Victor Konder esquina com a Rua Independência, onde também mantinham o armazém de secos e molhados. O prédio foi inaugurado em 17 de setembro de 1957 e a loja se mantém até os dias de hoje, mas com mudança de ramo. Atualmente, comercializam tecidos e aviamentos. A Casa Portuguesa é atendida pelas filhas do casal, Márcia Helena, Célia Regina e Débora Cristina. Luzia e Armindo ainda tiveram quatro netos: Fernando, Marina, Caroline e Luíza, além de um bisneto: Luiz Fernando.

Seu Armindo faleceu em 29 de janeiro de 2010. Dona Luzia, que hoje recebe os cuidados das filhas, continua muito disposta, gosta de estar presente na loja e de conversar com os clientes. O casal foi homenageado várias vezes pela comunidade, recebendo inclusive, da Câmara de Vereadores, o título de Cidadãos Xanxerenses. Seu Armindo foi ativo participante da sociedade xanxerense, sócio-fundador do Clube 14 de Julho, hoje Clube Sete de Setembro. Como jogador de futebol participou de vários campeonatos e além de atleta também atuou como árbitro da Federação Catarinense de Futebol.

Durante a programação da Exposição de Presépios, o Museu permanece aberto em horário comercial, mas os interessados em visitar o local para conhecer um pouco mais da história do município devem fazer agendamento prévio, através da Diretoria de Cultura.

- O museu hoje funciona por agendamento. O que impede de abrir direto é a falta de profissional fixo para atender os visitantes. A ideia é abrir uma vez na semana, mas precisaria de um funcionário no local. Então, por enquanto, estamos trabalhando por agendamento, com exceção da semana dos museus ou quando tem programação especial - explica a coordenadora de Patrimônio, Memória e Difusão Cultural, Aguinetes Barfknecht.

Fonte: Jornal Folha Regional

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Setembro Amarelo


Setembro amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção. Ocorre no mês de setembro, desde 2015, por meio de identificação de locais públicos e particulares com a cor amarela e ampla divulgação de informações.

No  link abaixo vai encontrar vários materiais bem produzidos pela Sociedade brasileira de psiquiatria.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Redação - Enem


 A redação do Enem exige o formato dissertação em prosa, o que significa que se trata de um texto argumentativo, que pede que o autor desenvolva uma ideia, um problema ou um questionamento com uma consideração final que deve estar de acordo com os argumentos expostos. É importante que o estudante saiba colocar ideias favoráveis e contrárias à sua própria opinião. A argumentação é a chave para um bom texto. Além disso, saber a estrutura do texto, que tem parâmetros bem definidos.

ASSUNTOS QUE MERECEM ATENÇÃO
Interpretação de textos (inclusive de gráficos, infográficos e figuras)
Literatura e arte (especialmente Romantismo, Realismo e Modernismo)
Gêneros textuais e suas características (compreender a função social do texto)
Variantes linguísticas e norma culta
Conhecimento de ambiguidade e classes de palavras
  

Para o seu texto não ficar confuso e para que seus argumentos fiquem claros, algumas dicas podem ajudar:

- Use uma linguagem mais simples, mas sem apelar para o coloquialismo exagerado;
- Não repita palavras desnecessariamente, pois o texto fica pobre e cansativo. Busque sinônimos, especialmente quando você está treinando em casa e tem tempo para fazer isso. O seu vocabulário vai aumentar e vai ficar mais fácil pensar em palavras alternativas durante a prova.
- Seja objetivo. Tente não repetir argumentos, dizendo a mesma coisa várias vezes. Preze pela qualidade do seu texto.
- O seu texto deve ter ao menos três parágrafos, um para a introdução, um para o desenvolvimento e um para a conclusão. O ideal é que o seu desenvolvimento tenha ao menos três parágrafos, dessa forma, você pode expor três argumentos diferentes para embasar a sua tese.
- Aponte soluções coerentes para o problema levantado, sem fazer críticas que não tenham fundamento.
- Por fim, releia o texto para corrigir pequenos erros e organizar a redação da melhor forma possível. Pense no seu interlocutor e se pergunte: “o meu ponto de vista ficou claro para o leitor?”.


AS TRÊS PARTES DA DISSERTAÇÃO
Introdução: o aluno deve usá-la para marcar, de modo claro e objetivo, a tese.
Desenvolvimento: usado para fundamentar a tese através dos argumentos. Cada argumento deve ser desenvolvido e explicado em um parágrafo próprio. Lembrando também que não se deve trabalhar com apenas um argumento.
Conclusão: encerra o texto. É onde o aluno deve concluir seu argumento e colocar a proposta ou solução para o problema exposto no tema.
  
Seis perguntas para uma Redação coerente

1. Qual o problema? 
2. Por que se trata de um problema? 
3. Quais as causas para tal problema? 
4. Há alguma solução? 
5. Como e por que colocar tal solução em prática? 
6. Como essa proposta pode, de fato, resolver o problema?

A PROVA PEDE UMA INTERVENÇÃO, NÃO UMA SOLUÇÃO

As questões sociais apresentadas na prova são frequentemente complexas e muitas vezes históricas – ou seja, já recebem atenção da sociedade e dos governos há muito tempo. Portanto, não se espera que o candidato, no Enem, apresente uma proposta que vá resolver a situação, mas sim enfrentá-la. E essa proposta não precisa necessariamente ser original e inédita. Ela pode envolver medidas já propostas no passado ou ampliar ações já adotadas (como aumentar o valor de multas, por exemplo). O importante é que essa proposta seja apresentada com bons argumentos.