Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Um bom estudo


Era comum os poetas árcades adotarem a pastora (musa) como Pseudônimo em seus poemas. E o nome Marília foi muito usado pelos poetas portugueses. Na mesma época Manoel de Bocage usou Marília, mas de forma mais depravada, (satírica). Em 1573 o poeta Antônio Ferreira  tem sua Marília como opção de Amarílis do poeta romano Virgílio (anos 70 AC.) na sua poesia.
 
(Arcádia - clube literário português em que se destaca as paixões pela natureza)

Assim, Thomas Antônio Gonzaga (1744-1810). Enquanto estava preso no Brasil, produziu Marília de Dirceu, o mais belo romance colonial brasileiro, publicado em Lisboa, em 1792, ano em que Gonzaga partira para o exílio em Moçambique, relatando seu amor pela brasileira Maria Dorothea Joaquina de Seixas, de quem fora noivo por dois anos.  Mulher, cuja mítica beleza inspirou o poeta inconfidente a escrever uma das mais importantes obras literária: Marília de Dirceu. Sua história ocorrida em Vila Rica, capital de Minas Gerais, durante o final do século dezoito, teve como pano de fundo a Inconfidência Mineira.
Na África trabalha como advogado e hospeda-se em casa de abastado comerciante de escravos, vindo a se casar em 1793 com a filha dele, Juliana de Sousa Mascarenhas (“pessoa de muitos dotes e poucas letras”), com quem teve dois filhos: Ana Mascarenhas Gonzaga e Alexandre Mascarenhas Gonzaga, vivendo depois disso, durante quinze anos, rico e considerado, até morrer em 1810.

video

Nenhum comentário:

Postar um comentário